Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.uema.br/jspui/handle/123456789/313
Título: Ocorrência de aglutininas anti- Leptospira spp. em feirantes e cães de dez feiras do município de São Luís-MA
Autor(es): Silva, Edith Nair de Oliveira
Palavras-chave: Leptospirose
Sorovares
Feirantes
Cães
Data do documento: 2008
Editor: UEMA
Resumo: A leptospirose é uma doença causada por uma espiroqueta do gênero Leptospira com graves conseqüências para a saúde humana e animal. A infecção ocorre por diferentes sorovares que podem ser mantidos por longo período em um ou vários hospedeiros com diferentes níveis de adaptação. O estudo foi realizado no período de dezembro/2006 a maio /2007, objetivando verificar a ocorrência de aglutininas anti-Leptospira spp. e os sorovares mais freqüentes em feirantes e cães de dez feiras convencionais do município de São Luís-MA. A técnica usada foi a Soroaglutinação Microscópica (SAM), com a utilização de 20 cepas de antígenos vivos de Leptospira spp. Foram examinadas 163 amostras de soros de feirantes, das quais 103 (63,19%) foram reagentes, sendo mais freqüentes os sorovares Icterohaemorrhagiae, 32 (11,03%), Sensot, 27 (9,31%), Patoc, 25 (8,62%) e Butembo, 22 (7,59%). O título máximo foi 200 para os sorovares Castellonis, Icterohaemorrhagiae, Pomona e Sensot. Verificou-se que das 38 amostras de soros examinadas de cães, 29 (76,32%) foram reagentes e os sorovares mais freqüentes foram: Icterohaemorrhagiae, 13 (10,24%), Pomona, 12 (9,45%), Hardjo, dez (7,87%), Castellonis, nove (7,09%) e Butembo, Canicola, Whitcombi e Copenhageni, oito (6,30%). Os títulos obtidos foram 400 para os sorovares Cynopteri e Pyrogenes e 200 para Cynopteri, Icterohaemorrhagiae, Panama, Pyrogenes, Hardjo e Shermani. Os outros sorovares apresentaram título máximo de 100. Vale ressaltar que as feiras F com 21 (12,88%); A com 18 (11,04); C e H com 14 (8,59 %) apresentaram maiores freqüências em feirantes, sendo que esta ultima apresentou 100,00% das amostras reagentes. Enquanto que as feiras H com sete (18,42%), seguidas das feiras C, D e G com quatro (10,53%) apresentaram maiores freqüências em cães. As feiras C, F, G e I apresentaram 100,00% das amostras reagentes. Não foram verificadas associações significativas entre as variáveis estudadas e as freqüências de reagentes observadas (p>0,05).
Descrição: 86f. Dissertação (Mestrado em Ciências Veterinárias) - Universidade Estadual do Maranhão,São Luís,2008.Orientação: Profa. Dra. Maria Inez Santos Silva.
URI: http://repositorio.uema.br/handle/123456789/313
Aparece nas coleções:MESTRADO EM CIÊNCIA ANIMAL

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
EDITH NAIR DE OLIVEIRA SILVA.pdf849.71 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.