Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.uema.br/123456789/488
Title: O conhecimento tradicional quilombola e suas interações com o uso dos recursos ambientais na Reserva Extrativista do Quilombo Frechal, município de Mirinzal-MA.
Authors: Bernardes, Regina Helena
Keywords: Unidades de conservação
Reserva extrativista
Quilombola
Recursos Naturais
Issue Date: 29-Dec-2006
Publisher: UEMA
Abstract: <p>A Reserva Extrativista do Quilombo Frechal, localizada no município de Mirinzal – MA, representa uma categoria de Unidade de Conservação que considera a permanência da população tradicional na área fazendo uso dos recursos ambientais de forma sustentável. O Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC) define critérios e normas para utilização destes recursos através de uma gestão participativa, associado ao Plano de Uso da Reserva Extrativista. Este trabalho teve como objetivo principal analisar processos e práticas associados ao conhecimento tradicional quilombola e suas implicações no uso dos recursos ambientais em uma unidade de conservação categorizada como Reserva Extrativista. A pesquisa foi realizada através da aplicação de questionários e entrevistas semiestruturadas a 82 famílias distribuídas em duas comunidades: Rumo e Frechal, ambas na Reserva Extrativista. A comunidade de Frechal, por ser caracteristicamente composta por quilombolas, foi o principal objeto de estudo desta pesquisa enquanto que a comunidade de Rumo, cujos moradores são majoritariamente caboclos, foi utilizada como referência comparativa para análise deste trabalho. Em relação à etnia, 83,67% dos moradores da comunidade Frechal se auto-identificaram como negros e na comunidade de Rumo 87,88% se auto-identificaram como morenos. A economia destas comunidades é baseada na agricultura de subsistência associada às atividades extrativistas através da combinação do extrativismo vegetal, representado principalmente pelo babaçu (Orbignya phalerata Mart.) e juçara (Euterpe oleracea Mart.), e o extrativismo animal representado pela pesca artesanal. Na agricultura, a mandioca (Manihot esculenta Crantz) representa o principal cultivo alimentar e econômico, seguido do arroz (Oryza sativa L.) e milho (Zea mays L.).Os moradores utilizam diversos arranjos produtivos nos sistemas agrícolas através de policultivos e monocultivos. No sistema de criação animal as famílias possuem a média de 17,13 cabeças de aves, 3,36 de suínos e 3,18 de bovinos. Nos quintais, o número médio de espécies frutíferas por família foi de 13,5 espécies. Em relação ao conhecimento do Plano de Uso da Reserva, na comunidade de Frechal 61,2% dos entrevistados declararam ter participado de reuniões que debateram a criação deste Plano, e na comunidade de Rumo este percentual é de 33,3%. As ações antrópicas mais problemáticas na área são causadas principalmente pela população do entorno da reserva e referem-se à pesca predatória, coleta indiscriminada de juçara e desmatamento em área de preservação permanente. No entanto, o aumento populacional na reserva vem causando também um aumento da pressão sobre o uso dos recursos naturais. Neste trabalho, concluímos que na Reserva Extrativista os quilombolas da comunidade Frechal demonstraram ter um grau de conscientização mais apurado nas interações com o uso dos recursos ambientais em relação aos moradores da comunidade Rumo. .</p>
Description: <p>97 f. </p><p>Dissertação (Mestrado em Agroecologia) - Universidade Estadual do Maranhão, São Luís, 2006.</p><p>Orientador: Prof. Dr. Cláudio Urbano Bittencourt Pinheiro </p>
URI: http://repositorio.uema.br/123456789/488
Appears in Collections:MESTRADO EM AGROECOLOGIA

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
REGINA HELENA BERNARDES.pdf11.33 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.