Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.uema.br/123456789/429
Title: Identidade étnica e territorialidade: a luta pela titulação definitiva do território quilombola de Camaputiua – Cajari – MA
Authors: Santos, Dorival dos
Keywords: Conflito
Mobilização
Política
Issue Date: 2015
Publisher: UEMA
Abstract: <p>A presente pesquisa foi realizada no Territ&oacute;rio Quilombola de Camaputiua, composto por 26 comunidades, o mesmo est&aacute; localizado no munic&iacute;pio de Cajari-MA, em uma regi&atilde;o ecol&oacute;gica denominada Baixada Maranhense. Esta pesquisa teve como objetivo analisar as formas organizativas que foram constru&iacute;das pelos agentes sociais no referido territ&oacute;rio, as quais funcionam como unidades de mobiliza&ccedil;&atilde;o. Para tanto, dediquei-me a um per&iacute;odo de trabalho de campo que se deu a partir do ano de 2008, considerando que minha an&aacute;lise foi feita com base em observa&ccedil;&otilde;es que remetem ao recorte temporal de 2008 a 2015. Para este fim, realizei entrevistas abertas, acompanhei reuni&otilde;es, al&eacute;m das diversas estadas em campo onde estive nas comunidades que comp&otilde;em o Territ&oacute;rio Camaputiua. A partir dos dados de campo, busquei refletir sobre o papel dos agentes sociais locais considerando suas pr&aacute;ticas tradicionais e seus conhecimentos dos instrumentos de direito. Analiso tamb&eacute;m, a partir das narrativas locais, as formas de controle dos elementos m&iacute;ticos sobre os recursos naturais. Estes seres m&iacute;ticos, mant&eacute;m uma rela&ccedil;&atilde;o de cumplicidade com as fam&iacute;lias das comunidades, pois ambos s&atilde;o interdependentes, convivem em forma de prote&ccedil;&atilde;o um ao outro, atrav&eacute;s da manuten&ccedil;&atilde;o e controle do uso dos recursos naturais. Os conflitos que se originaram a partir do projeto da cultura extensiva de b&uacute;falos, foram desastrosos para as comunidades tradicionais que habitam na Baixada Maranhense, j&aacute; que estes causaram danos ao ambiente natural. As consequ&ecirc;ncias desse projeto foram a amplia&ccedil;&atilde;o dr&aacute;stica do processo de grilagem de terras, a privatiza&ccedil;&atilde;o dos campos naturais e matas de terra firme, atrav&eacute;s da constru&ccedil;&atilde;o dos grandes cercados. A partir do desenvolvimento da cultura bubalina no Territ&oacute;rio Camaputiua deram-se os mais intensos atos de viol&ecirc;ncia contra os quilombolas, como: pris&atilde;o, agress&atilde;o amea&ccedil;as, expuls&atilde;o dos moradores, al&eacute;m das constantes a&ccedil;&otilde;es judiciais que colocam os quilombolas na condi&ccedil;&atilde;o de invasores. Observei que a luta destes quilombolas est&aacute; cada dia mais intensa. De acordo com as narrativas a titula&ccedil;&atilde;o definitiva do territ&oacute;rio &eacute; essencial para a resolu&ccedil;&atilde;o dos conflitos e a perman&ecirc;ncia dos agentes sociais em suas terras.</p>
Description: <p>132 f.</p><p>Disserta&ccedil;&atilde;o (Mestrado) &ndash; Curso de Cartografia Social e Pol&iacute;ticas da Amaz&ocirc;nia, Universidade Estadual do Maranh&atilde;o, 2015.</p><p>Orientadora: Profa. &Eacute;rika Matsuno Nakazono</p>
URI: http://repositorio.uema.br/123456789/429
Appears in Collections:PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO CARTOGRAFIA SOCIAL E POLÍTICA DA AMAZÔNIA

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DORIVAL DOS SANTOS.pdf2.39 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.