Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.uema.br/123456789/1029
Title: Ações educativas sobre doenças articulares não traumáticas: medidas de prevenção e tratamento
Authors: Galeno, Klyssia dos Santos
Keywords: Doença articular degenerativa
DAD
Articulação
Issue Date: 2017
Abstract: <p>Este trabalho procurou estudar as medidas de tratamentos e preven&ccedil;&otilde;es da doen&ccedil;a articular degenerativa em c&atilde;es, objetivando explanar os seus sinais cl&iacute;nicos e principais meios de diagn&oacute;stico. Foram aplicados question&aacute;rios a 150 propriet&aacute;rios de pacientes atendidos no HVU-UEMA no per&iacute;odo de janeiro a fevereiro de 2017. Questionou-se sobre qualidade vida do animal, atividade f&iacute;sica, tipo de alimenta&ccedil;&atilde;o,n&iacute;vel de conhecimento dos propriet&aacute;rios sobre as doen&ccedil;as articulares degenerativas, queixas de altera&ccedil;&otilde;es articulares e frequ&ecirc;ncia de visitas ao m&eacute;dico veterin&aacute;rio. Em rela&ccedil;&atilde;o ao sexo dos animais, 53% eram machos e 47% f&ecirc;meas. Quanto &agrave; idade, 47,5% dos animais apresentaram idade abaixo de cinco anos e 52,5% apresentaram idade maior que cinco anos. Em rela&ccedil;&atilde;o &agrave;s ra&ccedil;as, 55% dos animais possu&iacute;am ra&ccedil;a definida (SRD) enquanto 45% dos animais pertenciam a alguma ra&ccedil;a. Quanto &agrave; pr&aacute;tica de atividade f&iacute;sica, 41% caminhavam, 32% corriam e 27% exerciam alguma outra atividade, tais como nata&ccedil;&atilde;o e terapias. Quanto ao alimento oferecido aos animais, 54% s&atilde;o alimentados exclusivamente por ra&ccedil;&atilde;o, 33% s&atilde;o alimentados por misturas entre comida caseira e comida caseira e ra&ccedil;&atilde;o e 13% s&atilde;o alimentados<br />exclusivamente por comida caseira. Quanto ao grau de conhecimento dos propriet&aacute;rios a maior parte tem conhecimento sobre doen&ccedil;as articulares. Identificamos que 50 animais apresentavam algum grau de claudica&ccedil;&atilde;o, geralmente altera&ccedil;&otilde;es causadas por traumas. Quando questionado quanto &agrave; frequ&ecirc;ncia que o animal vai ao m&eacute;dico veterin&aacute;rio 56% dos propriet&aacute;rios levam seus animais uma ou duas vezes ao ano, 25% levam somente quando apresentam alguma altera&ccedil;&atilde;o e 19%, levam seus animais a cada tr&ecirc;s meses. Estes &uacute;ltimos seguem orienta&ccedil;&otilde;es m&eacute;dico-veterin&aacute;rias de vacina&ccedil;&atilde;o e vermifuga&ccedil;&atilde;o. Conclu&iacute;mos que os animais atendidos do HVU, em geral, possuem frequ&ecirc;ncia de exerc&iacute;cios satisfat&oacute;ria e alimenta&ccedil;&atilde;o adequada, medidas estas usadas na preven&ccedil;&atilde;o de doen&ccedil;as articulares. Os propriet&aacute;rios possuem algum conhecimento em rela&ccedil;&atilde;o &agrave; doen&ccedil;a articular degenerativa e seus tratamentos. A frequ&ecirc;ncia de visitas ao m&eacute;dico veterin&aacute;rio &eacute; satisfat&oacute;ria, sendo esta uma atitude que visa prevenir poss&iacute;veis altera&ccedil;&otilde;es, incluindo as doen&ccedil;as articulares. A rela&ccedil;&atilde;o veterin&aacute;rio-propriet&aacute;rio aumenta a possibilidade de uso de terapias preventivas, sintomatol&oacute;gica e/ou cont&iacute;nuas em pacientes<br />acometidos.</p>
Description: <p>33 f.<br />Monografia (Gradua&ccedil;&atilde;o em Medicina Veterin&aacute;ria) -&nbsp;Universidade Estadual do Maranh&atilde;o, S&atilde;o Lu&iacute;s, 2017.<br />Orientador: Prof. Dr. Porf&iacute;rio Candanedo Guerra.<br />&nbsp;</p>
URI: http://repositorio.uema.br/123456789/1029
Appears in Collections:MONOGRAFIAS DE MEDICINA VETERINÁRIA

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TCC Klyssia REVISADO.pdf1.49 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.